sábado, 31 de janeiro de 2009

Para escrever um novo post basta...

Em um post anterior brinquei com os leitores, colocando a foto do Fernando Sabino em uma matéria cujo título remetia ao Saramago. Além de ter de distribuir alguns pirulitos (virtualmente), para agraciar aqueles que descobriram quem era o escritor-de-sorriso-espontâneo-da-foto, recebi muitas respostas via grupo de discussão (das turmas de Letras da UNIR/UAB, Rondônia). Uma das respostas, já no calor das mensagens trocadas, está abaixo transcrita:

> Sobre O grande Mentecapto de Fernando Sabino, não assisti ao filme ainda, mas li o livro. Recomendo, muito bom mesmo.

> Abraços.
> Helena.


Daí a inspiração para este post - a resposta à Helena, tutora de EaD, de Ji-Paraná-RO.

Helena,

Os livros são sempre melhores. E se há alguma exceção que alguém me avise, pois desconheço.

Curiosamente, alguns pais tem despertado o gosto pela leitura em seus filhos meio sem querer... Como? Dando-lhes livro que pouco tempo depois se tornam filmes! Os filhos/as, adolescentes, jovens quando vão ao cinema ou assistem o DVD percebem claramente o contraste! A reação deles é engraçada, indo da indignação à revolta, com a quase sempre pouco compente adaptação cinematográfica (com raríssimas exceções).

A minha filha leu recentemente o best-seller romântico-vampiresco Crepúsculo, de Stephenie Meyer. Aliás, leu de graça, pois baixou da internet (tem quase tudo por lá/por aqui). Depois ela assistiu o filme e detestou. Um detalhe que merece consideração é o fato dela ser uma leitora com um senso crítico mais apurado, a despeito de ter apenas 15 anos. O seu entusiasmo com a obra foi moderado (embora tenha lido compulsivamente), o que não lhe preservou a capacidade de raciocínio...

Para os estudantes de Letras (Psicologia, Ciências Sociais e outros cursos afins) um bom exercício de investigação científica é ler e analisar as mais-do-que-entusiasmadas recomendações de leitores de obras como essa e outras do gênero pegou-não-se-consegue-mais-parar-de-ler. No site Submarino há um farto material de pesquisa à espera dos curiosos. Veja aqui

Enfim, se conseguirmos colocar livros nas mãos, antes que os filmes lhes cheguem aos olhos-e-ouvidos nós teremos conquistado mais um punhado de novos leitores.

É isso.

Abraços
Abel Sidney

PS: O filme eu recomendo, pois assisti. O livro já foi recomendado pela Helena. Divirtam-se!

Um comentário:

Grace disse...

OI, li o livro há muito tempo atrás e ele me fez fã de carteirinha do Sabino, eu lia e ria, como era tempo de ralação, lia no ônibus, no banheiro, enfim, nos momentos livres, poucos, mas valiosos. Ria feito doida e quem via, imaginava que eu era mesmo mentecapta também.
Acho que sou, adoro as aventuras/desventuras daquele pícaro. Não vi o filme, mas imagino que seja tão bom quanto.
O Sabino acabou perdendoi meu respeito quando andou escrevendo umas bobagens, uns relatos de uma paixão esquisita. Mas o que ele fez de bom ninguém apaga.